NOSSA MISSÃO

A Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Palmeira das Missões Ministério de Madureira, tem a missão de fazer a diferença no Reino de Deus em Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, no Brasil e em outros países do mundo. Pois nossos objetivos nos levam a sermos uma igreja alicerçada na Palavra de Deus primando pela salvação das almas, levando o evangelho a toda a criatura fazendo sempre a vontade de Deus, reconhecendo que o Senhor Jesus Cristo é o Senhor e Salvador de todos nós, para que os homens sejam servos obedientes e bons dispenseiros da multiforme graça do Senhor. Ministério de Madureira Uma Igreja Feliz! Contatos: 55.99998.3905, 55.984278599 e 55.99915.8554.

IEADEMMAD

IEADEMMAD
IEADEMMAD

CONAMAD - CONEMAD/RS - IEADEMMAD

CONAMAD - CONEMAD/RS - IEADEMMAD

Nossos Cultos!

Nossos Cultos!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

JESUS CHOROU


"Jesus chorou" (João 11:35).

Sim, Jesus chorou diversas vezes. Cristo, em um de seus ensinamentos as famosas Bem-Aventuranças, declara: "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados". (Mateus 5:4). A Bíblia nos mostra muitas passagens com Cristo em lágrimas, pelo povo, pela cidade, pelos homens, pela vida: “O qual, nos dias da sua carne, oferecendo, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, foi ouvido quanto ao que temia" (Hebreus 5:7). “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!" (Mateus 23:37). “E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi à cidade chamada Naim, e com ele iam muitos dos seus discípulos, e uma grande multidão; E, quando chegou perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único de sua mãe, que era viúva; e com ela ia uma grande multidão da cidade. E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores. "E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar. E entregou-o a sua mãe" (Lucas 7:11-15), também pela morte "Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido". (João 11:21)."Jesus pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se". (João 11:33)."Jesus chorou" (João 11:35). que Ele veio para destruir e dar vida. "Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão"? (I Coríntios 15:56). Por isso Ele ressuscitou e nos prometeu: "Declarou-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá; 26 e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês isto"? (João 11:25-26).
Isaías profetizou a respeito de Jesus, ele sabia que seria um homem que passaria por muitas aflições e dores. "Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum". (
Isaías 53:3). Mas, seria vencedor. "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16:33).
Mas
Jesus chorou também por Ele mesmo. E Seu choro foi diferente das outras vezes, foi tão intenso que seu suor se transformou em gotas de sangue devido ao grande sofrimento “E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão" (Lucas 22:44) pelo qual, Onisciente que é, sabia que teria que passar “Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve" (Lucas 22:27

Vamos ler abaixo relato das dores de Jesus feita por um grande estudioso francês, o médico cirurgião Doutor Barbet dando a possibilidade de compreender realmente as dores de Jesus durante a sua paixão.

Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo. Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo. Posso, portanto escrever sem presunção a respeito de uma morte como a de Jesus.

E, no Getsemani, "E posto em agonia, orava mais intensamente; e o seu suor tornou-se como grandes gotas de sangue, que caíam sobre o chão". (
Lucas 22:44). Notem que o único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a precisão de um clínico.

O suar sangue, ou hematidrose é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais. Para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus.
Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra.
Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos “E, levantando-se toda a multidão deles, o levaram a Pilatos" (Lucas 23:1), e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Mesmo não vendo culpa em Cristo "Então Pilatos saiu outra vez fora, e disse-lhes: Eis aqui vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele crime algum" (João 19:4). "E disse Pilatos aos principais dos sacerdotes, e à multidão: Não acho culpa alguma neste homem" (Lucas 23:4). “Disse-lhes: Haveis-me apresentado este homem como pervertedor do povo; e eis que, examinando-o na vossa presença, nenhuma culpa, das de que o acusais, acho neste homem" (Lucas 23:14). "Nem mesmo Herodes, porque a ele vos remeti, e eis que não tem feito coisa alguma digna de morte" (Lucas 23:15) e "Falou, pois, outra vez Pilatos, querendo soltar a Jesus" (Lucas 23:20). Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. “Castigá-lo-ei, pois, e soltá-lo-ei" (Lucas 23:16) e “Pilatos, pois, tomou então a Jesus, e o açoitou" (João 19:1).
A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos. Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue.
Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo). "E diziam: Salve, Rei dos Judeus. E davam-lhe bofetadas" (João 19:3). “E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e em sua mão direita uma cana; e, ajoelhando diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, Rei dos judeus" (Mateus 27:29). Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. “Então Pilatos julgou que devia fazer o que eles pediam. E soltou-lhes o que fora lançado na prisão por uma sedição e homicídio, que era o que pediam; mas entregou Jesus à vontade deles" (Lucas 23:24-25) e "Então, conseqüentemente entregou-lho, para que fosse crucificado. E tomaram a Jesus, e o levaram" (João 19:16).
Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga escapa-lhe, escorrega, e esfola-lhe o dorso. Sobre o Calvário tem início a crucificação.
Os carrascos despojam o condenado “Tendo, pois, os soldados crucificado a Jesus, tomaram as suas vestes, e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e também a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, não tinha costura. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver de quem será. Para que se cumprisse a Escritura que diz: Repartiram entre si as minhas vestes, E sobre a minha vestidura lançaram sortes. Os soldados, pois, fizeram estas coisas" (João 19:23-24), mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, dilaceram-se as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas. Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim. O sangue começa a escorrer.
Jesus é deitado de costas, as suas chagas incrustam-se de pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os carrascos tomam as medidas. Com uma broca, é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego (longo, pontudo e quadrado), apóiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor alucinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas.

O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, O encostam na estaca vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera. As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira. Cada vez que o Mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor.

Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, queima-lhe, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado estende-lhe sobre a ponta de uma vara uma esponja embebida com vinagre (bebida ácida), em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. “E logo um deles, correndo, tomou uma esponja, e embebeu-a em vinagre, e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber". (
Mateus 27:48; “E um deles correu a embeber uma esponja em vinagre e, pondo-a numa cana, deu-lho a beber, dizendo: Deixai, vejamos se virá Elias tirá-lo" (Marcos 15:36). “E também os soldados o escarneciam, chegando-se a ele, e apresentando-lhe vinagre" (Lucas 23:36); “Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede. Estava, pois, ali um vaso cheio de vinagre. E encheram de vinagre uma esponja, e, pondo-a num hissope, lha chegaram à boca" (João 19:28-29).
Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços enrijecem-se em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos curvam-se. E como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen enrijecem-se em ondas imóveis. Em seguida, aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios. A respiração se faz pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianótico.
Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais se esvaziar. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita. Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial.

Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: “E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes" (Lucas 23:34). "Jesus, porém, dizia: Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem...". (
Lucas 23:34). Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável! Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas. “E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol" (Lucas 23:44). “E desde a hora sexta houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona" (Mateus 27:45). “E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona" (Marcos 15:33). Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos arrancam-lhe um lamento: "E, à hora nona, bradou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá, sabactani? que, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste"? (Marcos 15:34); “E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Mateus 27:46). “ Jesus grita: Tudo está consumado! "Jesus, clamando com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou. (Lucas 23:46).

Assim Ele morre em meu lugar... E no seu Eu já reconheci isto e você o que espera?

Nenhum comentário:

Templo Sede

Templo Sede
Avenida Independência, 1999, Centro, Palmeira das Missões

Congregação Bairro Mutirão

Congregação Bairro Mutirão
Avenida José Firmino Vilande, 274, Bairro Mutirão, Palmeira das Missões

Congregação de Santo Augusto

Congregação de Santo Augusto
Rua Nonô Prates, 43, Bairro Santa Fé, Santo Augusto

Congregação Frederico Westphalen

Congregação Frederico Westphalen
Rua 137, sn, Bairro Distrito Industrial, Frederico Westphalen, RS

CONEMAD-RS E DEPARTAMENTOS

DIRETORIA CONEMAD-RS 2019-2022

CARGO

NOME

Presidente

Pr. Isaque Saletti dos Santos

1º Vice Presidente

Pr. Moisés dos Santos Lemos

2º Vice Presidente

Pr. Luiz de Bairro

3º Vice Presidente

Pr. Jerônimo Luiz da Silva

4º Vice Presidente

Pr. Valério Ricardo de Melo

5º Vice Presidente

Pr. João Sidnei dos Anjos Mombaque

1º Secretário

Pr. Jussiê Alberto Teixeira

2º Secretário

Pr. Adames Paz da Silva

3º Secretário

Pr. José Fernandes da Silva

4º Secretário

Pr. Peterson Donizete Gomes da Silva

5º Secretário

Pr. Paulo Alaert Martins

1º Tesoureiro

Pr. Emerson Fabiano Chaves

2º Tesoureiro

Pr. Jonas Cemim de Borba

1º Conselheiro Fiscal

Pr. Paulo de Souza

2º Conselheiro Fiscal

Pr. Lindomar Silveira Prestes

3º Conselheiro Fiscal

Pr. Carlos Roberto Silva dos Santos

1º Sup. Vice Presidente

Pr. Marlon Almeida Santos

2º Sup. Vice Presidente

Pr. José Alvori Lemos dos Reis

3º Sup. Vice Presidente

Pr. Jacó Luiz Martiny

4º Sup. Vice Presidente

Pr. Vandir de Bairro

5º Sup. Vice Presidente

Pr. Jeremias Feliciano Dias

1º Sup. Secretário

Pr. Gideon Dias Barros

2º Sup. Secretário

Pr. Osnei de Oliveira da Silva

3º Sup. Secretário

Pr. Pedro Enio Rodrigues

4º Sup. Secretário

Pr. Rogério da Silva

5º Sup. Secretário

Pr. João Amilton de Anunciação

DIRETORIA CIBE RS

CARGO

NOME

Presidente de Honra

Missionária Sandra Regina de Melo

Presidente de Honra

Pra. Regina Vargas

Presidente de Honra

Pra. Nair Prestes

Presidente

Pra. Marilene Lemos

1ª Vice Presidente

Pra. Esdra dos Santos

2ª Vice Presidente

Pra. Nelci Martins

3ª Vice Presidente

Pra. Helena da Silva

4º Vice Presidente

Pra. Beatriz Mombaque

5º Vice Presidente

Pra. Valéria Cabreira

ASSESSORAS REGIONAIS

Rio Grande

Pra. Débora Godoi de Melo

Porto Alegre

Misª. Eloíza Mann

Rolante

Misª. Edineia Borba

Catuípe

Misª. Fabiana

Farroupilha

Pra. Marlei de Bairro

Santiago

Pra. Cibele Martins

Tramandaí

Pra. Nelci Martins

TESOUREIRAS

1ª Tesoureira

Pra. Janete Paz

2ª Tesoureira

Pra. Rosane da Luz

3ª Tesoureira

Pra. Rosangela da Silva

4ª Tesoureira

Misª. Angela Lima

5ª Tesoureira

Misª. Neiva Vargas

SECRETARIA

Secretária Executiva

Misª. Marcia Prestes

1ª Secretária

Misª. Gilda Martins Dias

2ª Secretária

Misª. Michelle Teixeira

3ª Secretária

Misª. Andrea Martiny

4ª Secretária

Misª. Dienefer Mongelos

5ª Secretária

Misª. Elenir Bitencourt

DIRETORIA UMADERSUL

CARGO

NOME

Presidente

Pr. Cleber Lima

1ª Vice Presidente

Pr. Maicon Rafael dos Santos

2ª Vice Presidente

Pr. Marlon Santos

3ª Vice Presidente

Pb. Gabriel Wolmann

TESOURARIA

1ª Tesoureiro

Pr. Clayton Graciano Ferreira

2ª Tesoureiro

Ev. Wiliam Oliveira Machado

SECRETRARIA

1ª Secretária

Glaucia Teixeira

2ª Secretária

Emelin Borba

3ª Secretária

Dc. Oséas Govea

SECRETARIA DE MISSÕES – SEMMIRS

CARGO

NOME

Diretor

Pr. Franco Gonçalves Laus

1ª Vice Diretor

Pr. Marcos Moreira

REGIONAIS

Fronteira

Pr. Edson Rodrigues de Farias

Serra/Farroupilha

Pr. Josuel Vargas da Cruz Vieira

Litoral/Tramandaí

Ev. Filipi Domingos Moreira

COORDENADORIA DE PROJETOS

Coord. Proj. Interior

Pr. Jussiê Alberto Teixeira

Coord. Proj. Capital

Pr. Marlon Santos

TESOURARIA

1º Tesoureiro

Ev. Josias Moreira Thomas

2ª Tesoureira

Pra. Rosane da Luz

SECRETARIA

Secretário Executivo

Pb Eliel Silveira Prestes

INTERCESSÃO

Líder

Misª Karine Laus

Intercessora

Misª Marcia Moreira

Intercessora

Misª Michelle Teixeira

Intercessora

Rosmari Da silva Vieira

DIRETORIA DO CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES - ANO 2018

CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES
DIRETORIA EXECUTIVA - ANO 2018

PRESIDÊNCIA:
Pastor
JOÃO AMILTON DE ANUNCIAÇÃO.

VICE-PRESIDÊNCIA:
Primeiro Vice-Presidente, Presbítero MOISÉS MENDES BATALHA;
Segundo Vice-Presidente, Evangelista FÁBIO ROMERO DA SILVA.

SECRETARIA:
Primeira Secretário, Presbítero MENDEZ MARTINS COIMBRA;
Segundo Secretário, Presbítero GUSTAVO CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO..

TESOURARIA
Primeira Tesoureira, Missionária
ROSIMARI OLIVEIRA DA ROCHA;
Segunda Tesoureira, Pastora
MARTHA VALÉRIA LOPES CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO.

CONSELHO FISCAL E ADMINISTRATIVO:
Pastor JACOB VANDERLEI PORTOLAN;
Evangelista ABEL MARTINS MATTOS;
Presbítero PAULO RENATO PRESTES;
Diácono PAULO ROBERTO DA SILVA MEDEIROS (Susbsto).


CONGREGAÇÕES - PASTORES DIRIGENTES
PALMEIRA DAS MISSÕES - BAIRRO MUTIRÃO
Presbítero MOISÉS MENDES BATALHA.

CONGREGAÇÃO DE SANTO AUGUSTO:
Evangelista FÁBIO ROMERO DA SILVA.

CONGREGAÇÃO FREDERICO WESTPHLEN:
Presbítero PAULO RENATO PRESTES.


CÍRCULO DE ORAÇÃO - OBREIRAS DIRIGENTES:
PALMEIRA DAS MISSÕES - SEDE
Dirigente, Diaconisa ODILA STEPHANINI BATALHA;
Diaconisa HELGA SCHOKAL LENCINA;
Diaconisa CLEUSA DE OLIVEIRA DE MEDEIROS.

CONGREGAÇÃO BAIRRO MUTIRÃO
Dirigente, Diaconisa ODILA STPHANINI BATALHA.

CONGREGAÇÃO SANTO AUGUSTO
Dirigente, Diaconisa TEREZINHA KOWALSKI.

CONGREGAÇÃO FREDERICO WESTPHALEN
Dirigente, Diaconisa MARINES BRIZOLLA PRESTES.

RELAÇÃO DE OBREIROS - 2018

RELAÇÃO DOS OBREIROS DO CAMPO PARA O ANO DE 2018

Relação dos Obreiros e Obreiras para o ano de 2018, da Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Palmeira das Missões Ministério de Madureira, sito na Avenida Independência, 1999, centro da cidade de Palmeira das Missões, CAMPO DE PALMEIRA DAS MISSÕES, conforme a seguir relacionados:­


001 - PALMEIRA DAS MISSÕES – SEDE:

Pastor Presidente JOÃO AMILTON DE ANUNCIAÇÃO,

Pastora MARTHA VALÉRIA LOPES CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Evangelista ABEL MARTINS MATTOS,

Missionária ROSIMARI OLIVEIRA DA ROCHA,

Presbítero GUSTAVO CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Diácono PAULO ROBERTO DA SILVA MEDEIROS,

Diaconisa HELGA SCHOKAL LENCINA,

Diaconisa ODILA STEPHANINI BATALHA,

Diaconisa CLEUSA DE OLIVEIRA MEDEIROS,

Diaconisa OLINTA ROZANI NIEDERAUER GUTLER,

Cooperador GUILHERME CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Cooperador GABRIEL CABREIRA DE ANUNCIAÇÃO,

Cooperadora ELCY MULLER FRANCO.


002 - PALMEIRA DAS MISSÕES – CONGREGAÇÃO BAIRRO MUTIRÃO:

Presbítero MOISÉS MENDES BATALHA,

Presbítero MENDES MARTINS COIMBRA.


003 - SANTO AUGUSTO - CONGREGAÇÃO:

Pastor JACOB VANDERLEI PORTOLAN,

Missionária ÂNGELA ROSANE PORTOLAN,

Evangelista FÁBIO ROMERO DA SILVA,

Evangelista GILMAR KOWALSKI,

Presbítero VILSON PICCO,

Diaconisa MARISA CRISTINA MOREIRA DA SILVA,

Diaconisa ROSIMARI CAMARGO PICCO,

Diaconisa ELEONIR TERESINHA CHAVES KOWALSKI.

Cooperador GERSON DOMINGOS ALBINO MANOEL.


004 - FREDERICO WESTPHALEN - CONGREGAÇAO:

Presbítero PAULO RENATO PRESTES,

Diácono DIONE LUIZ SARMENTO,

Diaconisa MARINÊS DA SILVA BRIZOLLA,

Diaconisa EDINARA BRIZOLLA PAES,

Diaconisa DIONEFER BRIZOLLA SARMENTO.


OUTRAS CIDADES - OBREIROS:


LAGEADO DO BUGRE

Presbítero ABEL SUTERES,

Diaconisa MARIA TEREZINHA MOREIRA SUTERES.

Pórtico de Palmeira das Missões

Pórtico de Palmeira das Missões